Representantes de Moçambique e Guiné-Bissau chegam à Unilab

Estudantes fazem festa na chegada de guineenses e moçambicanos

No último dia 07 de junho foi feriado no Brasil. Entretanto, isso não quer dizer que foi um dia de descanso para alguns estudantes da Unilab que toparam ir ao Aeroporto Internacional de Fortaleza, na noite desta quinta-feira (07), para recepcionar dois grupos de novos alunos estrangeiros da Universidade. A ação faz parte do Projeto Travessia da Pró-reitoria de Graduação (Prograd), que desenvolve uma série de atividades de acolhimento e acompanhamento dos estudantes recém-chegados ao Brasil.

O primeiro grupo desembarcou no Ceará por volta das 16h30, trazendo na bagagem muitas expectativas e sonhos a serem realizados a partir desta nova etapa vivida no Brasil, que é a formação e conclusão do Ensino Superior. Juvilda Rodrigues, 27 anos, inscrita no curso de Ciências da Natureza e Matemática, chegou com vontade de aprender e trocar experiências. “Ouvi falar que a Unilab capacita muita gente e vim aqui para ser formada e melhorar o meu futuro. Estou muito feliz. Quero estudar e fazer muitas coisas boas”, disse a estudante que já cursava Marketing em uma Universidade de Guiné.

Benvinda Domingos, estudante guineense

Além de Juvilda, chegaram também outras três mulheres e dois homens para estudar na Unilab. Benvinda Domingos foi uma delas. “Como o meu nome já diz, fiquei muito feliz com a recepção da Universidade. Organizaram bonito. Venho para cá para aprender, estudar e muito mais”, falou a aluna que vai iniciar o curso de Ciências Humanas.

Os primos Marria Augusto Badina e Ricardo José Sanca

Marria Augusto Badina tem bons motivos para se sentir bem acolhida, já que um dos estudantes que os aguardavam no Aeroporto é o seu primo, Ricardo José Sanca, que cursa Administração Pública na Unilab. “Fiquei bem feliz. Não esperava que ia ser recebida assim e sem falar que o meu primo e a minha amiga Isabel também estavam aqui”, comentou Marria. De Guiné, ela trouxe para o primo roupas e castanha. “Fiquei muito emocionado quando vi a minha prima. Com a presença dela aqui, vamos ter mais força e ânimo”, complementou Ricardo.

O estudante da Unilab, Edgar Djú

O conterrâneo guineense e estudante da Unilab desde o ano passado, Edgar Djú, faz parte da comissão de recepção dos novos alunos. Ele estava também no aeroporto e explicou as próximas atividades que serão realizadas com os calouros. “Vamos fazer uma conversa na próxima semana e apresentar vídeos e fotos do nosso dia a dia. Isso é para que eles não tenham dificuldades como nós. Vamos tentar mostrar a experiência que tivemos e nos juntar a eles para ajudar”, afirmou.

Jacqueline Freire, pró-reitora de Graduação

A recepção contou com o apoio da Prograd e da Coordenação de Assuntos Estudantis (CAE). De acordo com Jacqueline Freire, pró-reitora de Graduação, a chegada dos guineenses tem um diferencial porque o país está vivendo em um período de instabilidade política. “Essa chegada tem um sabor especial. É uma vitória para eles, e nós da Unilab estamos muito felizes. A Embaixada do Brasil em Guiné deu todo o apoio para que a documentação fosse viabilizada dentro do prazo”, esclareceu.

Os irmãos Sura e Carlos Subuhana

Na madrugada do dia 08, por volta de 1h da manhã, dois representantes de Moçambique desembarcaram no Aeroporto, em Fortaleza. Para recepcioná-los estavam os estudantes da Unilab, o coordenador de Assuntos Estudantis, José Veríssimo e o professor moçambicano da Unilab, Carlos Subuhanna. Além de prestigiar os conterrâneos, o professor veio por um motivo especial. “Um dos novos estudantes é Sura Subuhanna, o meu irmão mais novo. A família fez um grande esforço para trazê-lo para cá. É um presente que demos para ele”, disse o professor. Sura, 26 anos, vem à Unilab fazer o curso de Letras. “Quero formar, chegar lá (Moçambique) e conseguir um emprego”, falou o estudante.

Shakil Ribeiro conheceu a Unilab na manhã desta sexta-feira (08)

O moçambicano Shakil Ribeiro, 18 anos, também chegou nesta madrugada. “A recepção foi muito calorosa. Não poderia ser melhor. Logo que chegamos, vimos as pessoas e já sabíamos qual era o nosso caminho”, comentou o estudante que está inscrito do curso de Engenharia de Energias.

No próximo dia 14, chegam mais um grupo de guineenses ao Brasil para iniciarem os estudos na Unilab.

Comentários encerrados.