Unilab concede título de Doutor Honoris Causa ao ex-presidente Lula

A iniciativa de concessão do título ao ex-presidente Lula foi feita pelo reitor da Unilab. Paulo Speller

O Conselho Superior Pro-Tempore (Consup) da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab) aprovou a concessão do título de Doutor Honoris Causa ao ex-presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva. A iniciativa partiu do reitor da Unilab, Paulo Speller. Essa homenagem é dada por universidades a pessoas que necessariamente não são portadoras de um diploma universitário, mas têm um papel destacado na sociedade. A data da entrega do título pela Unilab ainda não está definida.

Lula, que recebeu o primeiro título em 2011, já acumula 12 Honoris Causa de instituições de ensino como, a Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), a Universidade Federal Fluminense (UFF), a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), a Universidade Federal de Pernambuco, a Universidade Federal Rural de Pernambuco, o Instituto de Estudos Políticos de Paris, na França, e a Universidade de Coimbra, em Portugal. Além destes, o ex-presidente também tem aprovados mais de 80 títulos de instituições no Brasil e no exterior.

Ex-presidente Lula

Luiz Inácio Lula da Silva, mais conhecido como Lula, ocupou o cargo de presidente do Brasil entre os anos de 2003 a 2011. Durante seus governos, Lula adotou uma posição de estreitamento de relações com a África colocada por ele como uma obrigação política, moral e histórica do Brasil em relação ao Continente Africano. A sanção de Lula a lei de criação da Unilab, em julho de 2010, fez parte dessa política de cooperação acadêmica internacional com os países lusófonos, principalmente africanos. Também sancionou o Estatuto da Igualdade Racial, que define uma nova ordem de direitos para os brasileiros negros, que somam cerca de 90 milhões de pessoas. Em 2005, Lula assinou um decreto definindo como obrigatório o ensino de História da África nas escolas.

Comentários encerrados.