CABO VERDE – País cria primeiro curso de Medicina com apoio da Universidade de Coimbra

banderia-caboverde

O primeiro curso de Medicina em Cabo Verde é lançado oficialmente nesta quarta-feira (07) na cidade da Praia, no âmbito de uma iniciativa conjunta da Universidade de Cabo Verde (UNI-CV/Cabo Verde) e da Universidade de Coimbra (UC/Portugal). A cerimônia do lançamento deste curso será presidida pelo primeiro-ministro de Cabo Verde, José Maria Neves.

Um total de 25 alunos, entre os quais dois estrangeiros, selecionados entre 100 candidatos, vão frequentar este primeiro Mestrado Integrado em Medicina, com a duração de seis anos e que será lecionado por professores da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC). Esses docentes serão também responsáveis pela formação dos professores cabo-verdianos que posteriormente irão assumir o curso.

Segundo explicou a reitora da Universidade de Cabo Verde, Judite Nascimento, o curso vai funcionar em duas fases: a primeira em Cabo Verde e nas instalações da Uni-CV (com professores regentes da Universidade de Coimbra que trabalharão com o auxílio de docentes nacionais). A partir do terceiro ano, acrescentou, os alunos vão para Coimbra fazer o ciclo clínico, devendo a última fase ocorrer em Cabo Verde em hospitais nacionais.

Curso de Medicina em Cabo Verde

“Não vamos preparar médicos só para Cabo Verde, vamos sim preparar profissionais que possam vir a exercer medicina em qualquer país”, garantiu Judite Nascimento, quando questionada sobre a qualidade dos médicos a serem formados a partir da Uni-CV. Ela garantiu ainda que a Uni-CV vai preparar “um médico que seja capaz de intervir em qualquer caso de clínica geral, mesmo que esteja em situação de isolamento”.

Para o Governo de Cabo Verde, o lançamento do curso de Medicina representa “um passo importante” para o setor em Cabo Verde. “Trata-se de um passo importante para a melhoria dos serviços de saúde prestados aos cabo-verdianos, sendo um enorme passo para que o país possa, no futuro, a médio prazo, almejar a introduzir novas especialidades médicas com técnicos e médicos formados no país”, adianta, em nota, o gabinete do primeiro-ministro José Maria Neves.

O Governo assinala ainda que a abertura do primeiro curso de medicina coloca o país “em posição de cumprir o projeto de se constituir como um importante polo de formação, de cuidados de saúde e de investigação científica” ao nível da Comunidade Econômica de Estados da África Ocidental (CEDEAO). – Panapress

Fonte: África 21 Digital

.

Comentários encerrados.