Mostra de Danças Tradicionais no Cineteatro São Luiz encerra sexta edição do Movimenta

Na noite de ontem (3), o histórico Cineteatro São Luiz, situado no centro comercial da capital cearense, foi palco para a I Mostra de Danças Tradicionais da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). Nesse prédio emblemático, que ficou ainda mais aconchegante depois da reforma, deu-se, de fato, uma integração entre os povos por meio da expressão do corpo em movimento: a dança.

A I Mostra encerrou a sexta edição do Movimenta, que teve como tema “Movimenta com o corpo”, e contou com a participação de 45 estudantes da Unilab. Composta de sete números, que incluíram danças tradicionais e contemporâneas, a mostra fez uma viagem pela arte e cultura dos países da CPLP. Dançou-se a Baku Babadok e Tebe-Tebe (Timor Leste), Kizomba (Angola), Marrabenta (Moçambique), Colá San Jon (Cabo Verde) e Puita (São Tomé e Príncipe)

Sem deixar de lado a tradição, a mostra apresentou também sua face contemporânea por meio da Afro-Dance, que embora seja muito popular em São Tomé e Príncipe, pode ser entendida como um mix de ritmos, uma convergência de culturas e influências de diversos países africanos, inclusive países fora do eixo da CPLP, como Nigéria e Congo. O evento teve ainda a participação especial do grupo de Hip Hop “A.SE.Front.”, formado por estudantes da Unilab de várias nacionalidades.

Movimenta no Malês

No Campus dos Malês, na Bahia, o Movimenta aconteceu de 20 a 29 de janeiro com oficinas, sarau, minicursos e debates de filmes. Participaram, em média, 200 pessoas entre estudantes, técnico-administrativos, professores e moradores da região.

Para Felipe Emídio, servidor representante da Pró-Reitoria de Extensão, Arte e Cultura (Proex) e responsável pela organização das atividades nos Malês, “o Movimenta é um projeto importante, uma vez que promove a integração entre instituição e comunidade local, além de ser um espaço de arte e cultura realizado com o apoio dos estudantes”. Ainda segundo ele, “foi uma oportunidade de a comunidade local ver os estudantes como protagonistas de intercâmbio cultural na cidade”, afirmou.

As oficinas representaram a diversidade que há na Unilab, as quais atenderam a vários tipos de interesses e gostos. Aconteceram oficinas de Funaná, Kizomba, ritmos angolanos, fotografia, artesanato, circo, xadrez, entre outras. No geral, foram mais de 10 opções artísticas e culturais oferecidas aos participantes da comunidade acadêmica e externa.

Abertura da Mostra

A I Mostra de Danças Tradicionais da CPLP/Unilab foi saudada pela diretora do Cineteatro São Luiz, Rachel Gadelha, como uma oportunidade para novas parcerias. “É uma alegria muito grande receber aqui (no São Luiz) professores, estudantes e técnicos da Unilab. Espero que esse seja mais um espaço de integração e que a partir deste evento possamos construir uma longa e auspiciosa parceria”, afirmou.

O reitor da Unilab, Tomaz Mota Santos, além de destacar o empenho da Proex para a realização dessa I Mostra e do Movimenta, reforçou o papel da arte no contexto da integração. “O papel da Unilab é contribuir com a integração entre o Brasil e os demais países membros da CPLP, por meio do ensino, da pesquisa e da extensão. A arte e a cultura podem ser catalisadores dessa integração”, ressaltou.

Já a pró-reitora de Extensão, Rafaella Pessoa, fez um rápido balanço da sexta edição do Movimenta, que contou com a participação direta de 903 pessoas.

Segundo a pró-reitora, o Movimenta não é uma ação estanque nem datada. “O Movimenta não é uma ação restrita a um período. Mas uma ação constante de formação e troca de experiências que acontece no dia a dia da Unilab”. Como exemplo, lembrou que a Unilab ficou em 2º lugar regional no Edital Mais Cultura nas Universidades, do Ministério da Cultura, e que isso vai impulsionar a realização de 20 projetos no biênio 2016/2017.

Dança Multicultural

Após a solenidade de abertura, o palco do São Luiz ficou livre para os passos e ritmos envolventes da dança, que se mostrou multicultural e agregou os países que têm em comum a Língua Portuguesa. Apresentou-se:

Baku Babadok | Timor-Leste | Esta dança é realizada para congratular visitantes ao Timor-Leste; autoridades e pessoas de reconhecimento popular.

Tebe-Tebe | Timor-Leste | Essa dança tem como objetivo reunir os povos timorenses, de modo a se juntarem para servir e apoiar no bem e desenvolvimentos do país.

Kizomba | Angola | É um gênero musical e um estilo da dança angolanos. E é equivocadamente confundido com zouk devido ao ritmo ser muito semelhante.

Marrabenta | Moçambique | É uma forma de música-dança típica e o seu nome foi derivado da palavra portuguesa: “rebentar”. Incorporou vários ritmos folclóricos como os Magika, Xingombela e Zukuta, sendo também sujeita à influência ocidental.

Puita | São Tomé e Príncipe | O seu nome provém de um instrumento de música, uma flauta em bambu, denominada puita. Dança proibida na época colonial pelo seu caráter erótico.

Colá San Jon | Cabo Verde | Tradicionalmente executado em desfile de rua, em que pares de dançarinos executam um movimento marcado pelo tempo forte do ritmo, com rodopios, avanços, recuos e umbigadas.

Afro Dance | São Tomé e Príncipe | Dança contemporânea em que predomina, essencialmente, a mistura de sons e ritmos.

Comentários encerrados.