Quarta Cultural exibe o filme Njinga, Rainha de Angola

 

banner filme

O Projeto Quarta Cultural Maciço de Arte exibe amanhã (16), às 19h, no Auditório Didático do Campus da Liberdade, em Redenção/CE, o filme Njinga, Rainha de Angola. Este drama biográfico, com realização do português Sérgio Graciano – conhecido pelas séries “Conta-me como foi” e “Depois do adeus” –  narra o percurso de honra e coragem de uma das mais importantes mulheres africanas da História. O elenco é formado por Lesliana Pereira, Silvio Nascimento, Rui Paulo, Joaquim Nicolau e José Fidalgo.

Rodado inteiramente em Angola, Njinga conta a história de luta da rainha dos reinos do Ndongo (ou Ngola) e de Matamba, que durante quatro décadas lutou para poupar seu povo ao destino cruel da escravatura pelos europeus no século XVI. Corajosa e decidida, ela era filha do rei Kilwanji e irmã de Mbandi. Este, tendo-se revoltado contra o domínio português em 1618, foi derrotado pelas forças de Luís Mendes de Vasconcelos.

Njinga na História

O nome de Njinga surge nos registos históricos alguns anos mais tarde, como uma enviada a uma conferência de paz com o governador português de Luanda. Após vários anos de incursões portuguesas para captura de escravos, e entre batalhas intermitentes, Njinga conseguiu negociar um tratado de termos iguais, chegando a converter-se ao cristianismo para fortalecer a confiança entre os dois povos, adotando o nome português de Ana de Sousa.

Determinada a proteger seus contemporâneos, ajudou a reinserir antigos escravos e formou uma economia que, ao contrário de outras, não dependia do tráfico de pessoas. Njinga faleceu aos 80 anos de idade, admirada e respeitada por Portugal, depois de uma luta corajosa contra a ocupação colonial e em defesa do povo mbundu.

 

 

Comentários encerrados.