Unilab recebe Comitiva Diplomática de Guiné-Bissau

À esquerda: Secretária de Estado da Cooperação Internacional e das Comunidades de Guiné-Bissau, Suzi Barbosa.

À esquerda: Secretária de Estado da Cooperação Internacional e das Comunidades de Guiné-Bissau, Suzi Barbosa.

Na manhã desta segunda-feira (9), o Reitor Pro Tempore em exercício, Aristeu Rosendo, e o Pró-reitor de Relações Institucionais, Edson Borges, receberam, no Gabinete da Reitoria, a Comitiva Diplomática de Guiné-Bissau.

A Comitiva, liderada pela Secretária de Estado da Cooperação Internacional e das Comunidades de Guiné-Bissau, Suzi Barbosa, visa principalmente oferecer todo o suporte necessário para a troca de passaporte dos estudantes guineenses que ainda não possuem o documento com biometria, que já é exigido neste ano. Vai também auxiliar na regularização dos vistos dos estudantes guineenses que, porventura, esteja vencido ou venham a se vencer.

Para efetuar a troca do passaporte o estudante guineense deve comparecer o Gabinete da Proinst, Bloco II, 1º andar, da Unidade Acadêmica dos Palmares, em Acarape/CE, das 09h às 17h, nos dias 09, 10 e 11 de maio.

A comitiva avisa ainda que para realizar a troca do passaporte é necessário que o estudante apresente o “cartão consular”. Caso o estudante não tenha este cartão, poderá fazê-lo com a comitiva e terá que pagar uma taxa única no valor de 25 reais.

Reitor pro tempore em exercício, Aristeu Rosendo, recebe a Comitiva Diplomática de Guiné-Bissau.

Reitor pro tempore em exercício, Aristeu Rosendo, recebe a Comitiva Diplomática de Guiné-Bissau no Gabinete da Reitoria.

Encontro com a Comitiva

No período da tarde, a Comitiva de Guiné-Bissau se reuniu no Auditório do Bloco Didático do Campus da Liberdade, em Redenção/CE, com a Comunidade estudantil guineense da Unilab.

Nesse encontro, a Comitiva ouviu a comunidade acadêmica guineense sobre as principais questões que envolvem a estadia e a integração, além da troca de experiências vivenciadas na universidade. O encontro visou ainda aproximar os cidadãos guineenses na Unilab da sua representação diplomática.

Atualmente, a comunidade estudantil oriunda de Guiné-Bissau é a maior da Unilab. Ao todo são 427 estudantes espalhados pelos Campi da Liberdade, Auroras e Palmares, nos Estados da Bahia e Ceará. Desse total, 172 cursa Bacharelado em Humanidades; 59 Letras; 53 Administração Pública; 43 Enfermagem; 43 Agronomia, 29 Engenharia de Energias; 18 Ciências da Natureza e Matemática; 05 Sociologia; 02 Química; 02 Ciências Biológicas; 01 História.

Integração na Unilab

Segundo a Secretária Suzi Barbosa, essa visita objetiva, dentre outros assuntos, conhecer de perto a realidade do estudante guineense em solo brasileiro. “Hoje o Brasil abriga a maior comunidade estudantil guineense no mundo. São mais de dois mil guieneenses estudando nas universidades brasileiras. E grande parte desses estudantes estão no Nordeste e, principalmente, na Unilab”, reconheceu Suzi Barbosa, que apontou a questão financeira e o apoio do Governo brasileiro como fatores determinantes para essa nova realidade.

Para Aristeu Rosendo esses números mostram que a Unilab está cumprindo seu papel de fomentar a integração entre a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). “Os estudantes de Guiné-Bissau são hoje a maior comunidade discente de nossa Universidade. Isso me deixa feliz porque a Unilab viabiliza com seu projeto uma integração entre os membros da CPLP. E, por outro lado, nós sabemos que a educação é a porta de entrada para o crescimento econômico e social”, afirmou Aristeu Rosendo.

O interesse dos estudantes guineense e de outras nações da CPLP só tem aumentando. O último vestibular para estudantes estrangeiros contou com mais de dois mil e quinhentos inscritos, segundo dados apresentando durante a visita da Comitiva Diplomática de Guiné-Bissau.

Comentários encerrados.