Semana da África é comemorada no Campus dos Malês com diversas atividades

Banner Semana da África redes ok

De 24 a 28 de maio de 2016, acontece a Semana da África, no Campus dos Malês, com o tema “2016 Ano Africano de Direitos Humanos, com foco em Direitos das Mulheres Africanas”. O evento terá uma ampla programação com atividades acadêmicas, gastronômicas, artísticas, lúdicas, entre outros.

O objetivo da iniciativa é celebrar o dia 25 de maio, Dia da África, com a comunidade acadêmica, movimentos sociais e a população do Recôncavo Baiano, especialmente, do São Francisco do Conde. Pretende-se criar um espaço de reflexões em torno da temática africana, destacando 2016 como o ano de direitos das mulheres africanas, sensibilizando a população sobre os valores das culturas africanas, além de um momento de combate ao racismo e preconceito, almejando o reconhecimento de uma identidade africana positiva no Estado da Bahia.

A ação é uma iniciativa coletiva, que contou com os esforços de discentes, docentes e técnico-administrativos, integrantes das organizações sociais africanas como Associação dos Africanos e Amigos da África (ASEA); Coletivos das Mulheres Africanas (CMA); Instituto do Desenvolvimento da Diáspora Africana no Brasil (IDDAB); além dos grupos de pesquisas e dos projetos de extensão, do Campus dos Malês, como Projeto Arte, Ciência e Diversidade, liderados pelos professores africanos e brasileiros. O evento ainda conta com o apoio das coordenações dos cursos de Bacharelado em Humanidades (BHU) e Letras. As lideranças estudantis se mobilizaram e contam com o apoio da Câmara Municipal e a Prefeitura de São Francisco do Conde no desenvolvimento de algumas atividades externas.

Confira a programação abaixo:

Download (PDF, 260KB)

Sobre 25 de Maio – Dia da África

O dia 25 de maio é celebrado como Dia da Libertação Africana. A data marca a fundação da Organização da Unidade Africana (OUA), em 1963, em Addis Abeba, na Etiópia. Participaram daquele momento histórico 32 Estados africanos. Àquela altura, dois terços do continente haviam alcançado a independência do domínio colonial. Nesta reunião, a data do Dia da Liberdade da África foi alterada de 15 de abril para 25 de maio e renomeada como o Dia da Libertação Africana. Desde então, essa data tornou-se a referência simbólica e pragmática dos objetivos estratégicos e políticos do movimento pan-africano mais recente. Em 2001, as lideranças políticas africanas decidiram transformar a OUA em uma nova organização, a União Africana (UA), mantendo os princípios de unidade, solidariedade e liberdade que caracterizam o pan-africanismo. Ao totalizar, 50 anos, em 2013, a UA elaborou a sua Agenda 2063, projetando estrategicamente o desenvolvimento socioeconômico e sustentável do continente. É dentro deste contexto que em cada ano, elege uma temática para canalizar as reflexões e práticas de promoção de direitos dos povos africanos. 2016 foi escolhido o “Ano Africano de Direitos humanos com foco em Direitos de Mulheres”.

Comentários encerrados.