Unilab inaugura Centro de Estudos Africanos e da Diáspora

O reitor da Unilab, Tomaz Santos, e a coordenadora do Ceiafrica no Ceará, Vera Rodrigues, durante cerimônia de inauguração do centro. Foto: Assecom/Unilab.

Ocorreu nesta quarta-feira (20) a inauguração do Centro de Estudos Interdisciplinares Africanos e da Diáspora (Ceiafrica), com cerimônia no Campus da Liberdade e transmissão via webconferência para o Campus dos Malês. O centro terá uma sede nos municípios de Redenção e Acarape, no Ceará, e outra em São Francisco do Conde, na Bahia, com mesmo status institucional.

O Ceiafrica é um órgão suplementar vinculado à Reitoria da Unilab para facilitar o desenvolvimento de atividades acadêmicas e administrativas relacionadas a estudos da história, da cultura e da contemporaneidade do continente africano sob todos os seus aspectos, bem como a compreensão dos processos históricos dos movimentos migratórios de seus povos e suas consequências para a formação das sociedades e culturas transatlânticas.

Coordenadora da sede do Ceará, a professora Vera Rodrigues destacou que o centro trabalhará na perspectiva de olhares conjuntos e horizontes comuns. “Lançamos o centro com alegria e determinação de quem sabe aonde quer chegar e de onde veio. O centro nasce pequeno, mas quer representatividade nacional e internacional; surge no Maciço de Baturité e no Recôncavo Baiano e quer construir uma caminhada comum. Ser docente e pesquisadora na Unilab para mim é uma escolha, e uma escolha que cada vez faz mais sentido. Muito obrigada pelo convite”, declarou.

Marco importante na história da Unilab, assim o coordenador do centro na Bahia, Fernando Tavares, definiu a inauguração do Centro. “Constitui um marco importante na história da Unilab, porque vai possibilitar o cumprimento da própria missão da Unilab, a integração internacional da lusofonia afro-brasileira. Localizado tanto no Ceará quanto na Bahia, terá todas as condições para ser um centro de referência na pesquisa e formação do conhecimento sobre África e as diásporas africana e brasileira”, sublinhou.

O reitor da Unilab, Tomaz Santos, ressalta que a iniciativa aproxima ainda mais a universidade da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) e também deve dar abertura ao Timor-Leste, situado na Ásia. “As culturas transatlânticas nos unem, aproximam e é isso que queremos para a Unilab. O centro será mais uma referência de estudos sobre África, um lugar onde as pessoas possam ir para saber de África. Vida longa ao Ceiafrica e à Unilab”, disse.

No Ceará, compõem o Comitê Gestor: Emília Chaves, Artemisa Candé, Larissa Gabarra, Marina Mello, Carlos Subuhana e Evaldo Ribeiro Oliveira. Já na Bahia, o Comitê tem como membros Acácio Sidinei Almeida (membro externo, da UFABC), Bas’Ilele Malomalo, Eduardo Ferreira, Fábia Barbosa, Karl Gerhard, Márcio André de Oliveira e Pedro Leyva.

Mais sobre o Ceiafrica

Entre os objetivos do Ceiafrica estão produzir e difundir conhecimentos sobre a África nos seus aspectos históricos e da contemporaneidade científica, cultural, econômica, política, social e tecnológica; produzir e difundir conhecimentos sobre os movimentos migratórios que envolveram e envolvem os povos africanos; e reunir, em um acervo permanente, informações concernentes à história e cultura dos povos africanos e sobre a África contemporânea, entre outros.

O Ceiafrica também deve organizar ou participar da organização de eventos sobre temas relacionados à sua finalidade, tais como cursos de especialização, cursos de extensão, seminários, pesquisas, simpósios, exposições, festivais de arte e cultura e assessorias e consultorias.

A criação do centro se baseia na própria missão institucional da Unilab, estabelecida na lei 12.289/10, em especial a de desenvolver pesquisas nas diversas áreas do conhecimento e promover extensão universitária, visando a integração entre o Brasil e os demais países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Confira a resolução que determina a criação do Ceiafrica.

BOTAO-AVALIE

Comentários encerrados.