Documentário sobre Grafite, produzido a partir de pesquisa de professora da Unilab, está disponível no Youtube

Capa do DVD (1)

O documentário No Ceará dos Grafites, dirigido pela professora do Instituto de Humanidades e Letras (IHL), Jo A-mi, está disponível no Youtube, neste link. O filme foi apresentado na Mostra de Cinema da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), como parte da programação do I Festival das Culturas da Unilab, ocorrido em julho deste ano.

O audiovisual, com 43’30’’, teve edição e filmagens do bolsista de iniciação científica e estudante do curso de Letras, José Bernardino. A produção trata de aspectos do grafite no Estado do Ceará e é parte dos resultados da pesquisa intitulada “A poética dos graffiti no Maciço de Baturité: os olhares da recepção”, dentro do Programa de Bolsas de Iniciação Científica/Proppg/Unilab.

Jo A-mi explica que foram aplicados questionários nas cidades de Ocara, Capistrano, Guaramiranga, Palmácia e Redenção, que fazem parte do Maciço de Baturité. “Percebemos que os grafites desempenham impactos positivos nesses municípios – oferecendo-lhes pequenos territórios de arte ao ar livre”, conta. As ações no Maciço foram organizadas pela Associação dos Municípios do Maciço de Baturité (Amab) e Unilab. Em seguida, a pesquisa estendeu-se a Fortaleza, onde professora, estudantes voluntários e um bolsista conheceram e acompanharam ações de grafiteiros e grafiteiras.

“Todo esse complexo cenário tornou-se material para o documentário ‘No Ceará dos grafites’, tendo por objetivo registrar aspectos do Grafite na cena cearense – visto ser o grafite uma arte urbana ainda em processo de aceitação por parte da população e poder público (especialmente, por conta de toda a discussão em torno das fronteiras que delimitam grafite e pichação)”, sublinha a pesquisadora Jo A-mi, que agora se debruça sobre outro aspecto da temática, com o projeto “Mulheres e Arte Urbana: relações de gênero na cena cearense”.

Acompanharam todo o processo de pesquisa do documentário os estudantes voluntários Eduardo Gomes da Silva (curso de Bacharelado em Humanidades), Maria Mykele Alves Dodó (Letras) e o bolsista de iniciação científica José Roberto Bernardino (Letras).

BOTAO AVALIE

Comentários encerrados.