Professor da Unilab lança dossiê sobre ações afirmativas, movimentos negros e os caminhos da promoção da igualdade racial

racial

O professor Marcio André dos Santos, do Instituto de Humanidade e Letras (Unilab), e a professora Laura López, da Unisinos, acabam de lançar um dossiê sobre “Movimentos negros e ações afirmativas”.

Todo o conteúdo desta publicação, que integra a Revista de Ciência Sociais da Unisinos, pode ser acessado pelo link:

 http://revistas.unisinos.br/index.php/ciencias_sociais/issue/view/577

O presente dossiê tem como objetivo, segundo os organizadores da publicação, “abordar as ações afirmativas de uma maneira ampla e diversificada, apontando tanto o papel desempenhado pelos movimentos negros no desenvolvimento de uma agenda pública de defesa e discussão destas políticas, quanto os efeitos dessas políticas na diminuição das desigualdades raciais e/ou no reconhecimento da diversidade étnico-racial”.

Os organizadores veem as ações afirmativas como “políticas públicas que se destinam a corrigir uma história de desigualdades e desvantagens vinculada aos efeitos do racismo sofrida por segmentos negros e indígenas da população. O que motiva essas políticas é a ideia de que essas desigualdades tendem a se perpetuar caso o Estado continue utilizando os mesmos princípios considerados universalistas (mas que, na prática, favorecem só a alguns setores da sociedade) com que vem operando até agora na distribuição de recursos e oportunidades para as populações que contam com uma história secular de discriminação”.

Além de organizar a publicação, o professor Marcio Andre dos Santos, assinar o artigo “Políticas de ação afirmativa comparadas no Brasil e na Colômbia”.

Sobre os organizadores

Marcio André dos Santos:

É Doutor em Ciência Política pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Possui Mestrado e Graduação em Ciências Sociais pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Pesquisa política comparada com tese sobre as relações político-institucionais entre movimentos negros e Estado no Brasil e na Colômbia. Fez estagio doutoral na Johns Hopkins University, em Baltimore, Estados Unidos, sob orientação do Prof. Dr. Michael Hanchard no período de janeiro a julho de 2009. Foi professor da graduação e do mestrado em Ciência Política na Universidade Federal do Piauí de 2013 a 2015.

Atualmente é professor do quadro efetivo do Instituto de Humanidades e Letras da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira (Unilab), campus dos Malês em São Francisco do Conde, Bahia. Foi coordenador do Uniafro – Política de Promoção da Igualdade Racial na Escola e subcoordenador do Ifaradá – Núcleo de Pesquisa Sobre Africanidades e Afrodescendência, ambos na Universidade Federal do Piauí (UFPi).

Tem experiência nas áreas de Ciência Política e Sociologia Política, com ênfase nos estudos dos movimentos sociais, movimentos negros comparados, relações raciais e teoria do reconhecimento.

Laura López:

Possui graduação em Ciências Antropológicas (Orientação Sociocultural) pela Universidade de Buenos Aires – Argentina, mestrado e doutorado em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora do PPG em Saúde Coletiva e do PPG em Ciências Sociais da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Tem experiência na área das Ciências Sociais, com ênfase em Antropologia das Populações Afro-americanas, Antropologia do Corpo e da Saúde, Estudos Descoloniais, atuando principalmente nos seguintes temas: saúde da população negra, políticas públicas com enfoque étnico-racial, articulações de raça e gênero, saúde das mulheres e humanização do parto.

Comentários encerrados.