III Semana Universitária da Unilab atinge a impressionante marca de 2520 inscritos

Estudantes do Centro Acadêmico (C.A.) do Curso de Química da Unilab.

Estudantes do Centro Acadêmico (C.A.) do Curso de Química da Unilab.

Um espaço aberto para experimentos, exposições científicas e muita troca de informações num claro estímulo à prática da pesquisa e da extensão universitárias. É assim que se pode definir o ambiente montado no pátio da Unidade Acadêmica dos Palmares, em Acarape/CE, para as apresentações de pôsteres e trabalhos orais dos estudantes durante a III Semana Universitária da Unilab, que acontece de 19 a 22 de outubro.

Logo na entrada, o público tem acesso a uma série de experimentos químicos – como “pequenas explosões”; tintura que mancham tecidos e logo desaparecem; tintas que, sobre o leite, não se misturam (tensão superficial) etc – dos estudantes do Centro Acadêmico (C.A.) do Curso de Química que, aparentemente, podem ser vistos como “brincadeiras”, mas que escondem uma finalidade nobre.

“Nossa intenção com esses experimentos é atrair a atenção dos estudantes do ensino médio para a importância da química no nosso cotidiano”, esclarece Tainá da Silva, estudante do 3º Trimestre. “Quando os estudantes veem algo na prática, eles ficam mais envolvidos, querem entender como essas coisas são possíveis, o que torna o aprendizado mais atraente e dinâmico”, endossa Andressa Tavares, também estudante de Química.

Estudantes do Ensino Médio observam atentamente um experimento feito pelos estudantes de Curso de Química.

Estudantes do Ensino Médio observam atentamente um experimento feito pelos estudantes do Curso de Química.

Perto desses experimentos químicos fica o box dos estudantes de Ciências Biológicas, onde, com o uso de lupas e microscópios, revelam aos interessados o micro “reino” das células e dos insetos.

“Com o uso da lupa podemos analisar bem de perto as particularidades da diversidade dos insetos do Maciço de Baturité”, explica Joedson Pires, estudante do 3º trimestre de Ciências Biológicas, que nos pede para olhar uma vespa nativa por meio da lupa enquanto explica: “Essa vespa se reproduz por meio de um processo chamado ectoparasitismo. Ela usa a aranha caranguejeira como hospedeira, depositando seus ovos dentro dela. Desta forma, a aranha continua viva, permitindo que os ovos eclodam e as lavas se desenvolvam no interior desse aracnídeo”. Pergunto se é como a reproduz do monstro do filme “Alien”, que usam os humanos como hospedeiro. Pires confirma, “sim, é algo parecido”. E por meio do microscópio pode-se também ver os detalhes do processo de divisão celular a partir de uma raiz da cebola.

Nesse passeio pelo universo científico saímos, num estalar de dedos, do ambiente micro para o macro, por meio da realidade aumentada do projeto “Módulos Interativos de Química”, desenvolvido pelo estudante Guilherme Meneses, sob a orientação do professor Aloísio Fonseca. É possível ver e tocar nos “modelos moleculares físicos” do grafite, do diamante ou do Fulereno, construídos na forma de réplicas artesanais muito bem feitas.

Os apaixonados pela tecnologia podem também conferir, através da tela de um computador, essa mesma realidade aumentada virtualmente. É mais uma maneira de atrair o interesse dos futuros cientistas, que podem, com essa ampliação, interagir com o química orgânica.

O estudante Guilherme Meneses apresenta seu projeto “Módulos Interativos de Química” por meio da realidade aumentada de maneira física e virtual.

O estudante Guilherme Meneses apresenta seu projeto “Módulos Interativos de Química” por meio da realidade aumentada de maneira física e virtual.

Já o instituto de Ciências da Saúde (ICS) montou um estande para estimular a prevenção do câncer de mama. No mês do outubro rosa, estudantes de Enfermagem aproveitaram o momento para orientar e chamar a atenção, principalmente das mulheres, sobre esse grave problema. “Oitenta e cincos por cento dos cânceres de mama são passíveis de serem detectados pelas próprias mulheres, seja através do toque ou de uma observação atenta diante do espelho onde se pode observar visualmente o estado da mama, atentando se não há alguma mancha”, explicam os estudantes de Enfermagem.

A descrição acima revela apenas uma mínima amostra dentre as centenas de programas, encontros, mesas-redondas, trabalhos orais e pôsteres que marcaram a III Semana Universitária da Unilab. Nesse ano, a quantidade total de inscritos atingiu a impressionante marca de 2.520. Uma participação expressiva de toda a comunidade acadêmica da universidade, que hoje conta com pouco mais de 4 mil estudantes.

_______________

Notícia relacionada:

Abertura da III Semana Universitária promove reflexão sobre a “Ética na Formação Acadêmica”

BOTAO-AVALIE

Comentários encerrados.