Produção de jogos de tabuleiro enriquece formação interdisciplinar de docentes da Unilab

– Professor João Batista e estudantes de licenciaturas da Unilab

A terceira edição da Formação de Arte Educadores Interculturais trouxe a produção de jogos de tabuleiro com o tema “O lúdico e a lógica nos jogos de tabuleiro primordiais da humanidade” que aconteceu no Campus da Liberdade, em Redenção/CE, nesta penúltima semana de janeiro.

A formação foi conduzida pelo professor da Escola Waldorf Micael de Fortaleza/CE, João Batista de Carvalho, com a produção de material didático e jogos de tabuleiros de diferentes culturas, como da Índia, China, Mongólia, Coreia e Tailândia junto aos discentes das Licenciaturas da Unilab e comunitários.

“Os jogos trazem o conteúdo daquela civilização, daquele povo, e esse conteúdo é visto nos jogadores. Alguns levam à uma concentração, uma introspecção, outros levam à uma exteriorização, alvoroço dentro da sala”, declara João Batista.

A prática dos jogos no aprendizado, no ensino fundamental e médio, segundo o professor, “é um ganho expressivo no sentido de exercitação do raciocínio, da parte estética da construção artística dos tabuleiros, e da interculturalidade, com o passeio por culturas de diferentes civilizações”, acrescenta.

Ter uma interdisciplinaridade ampla é a ideia da formação para os futuros educadores de diferentes formações, que “vai desde o momento da produção artística dos tabuleiros, escolha das formas e cores, dos cálculos das figuras, entender as regras, a origem, a história, a geografia e a cultura até jogar os jogos, com o uso da parte lógica e do raciocínio. Fazer o uso dos instrumentos lúdicos na sala de aula, que fogem dos parâmetros tradicionais, mas que dentro dele está embutido todos os conteúdos, tem-se um ganho significativo da atenção dos alunos”, esclarece João Batista.

A Unilab oferece os cursos de Licenciaturas em Letras, Sociologia, História, Pedagogia, Ciências Biológicas, Física, Química e Matemática.

Para o estudante guineense, Ivanildo Rui Barbosa, que cursa Licenciatura em Ciências da Natureza e Matemática, com habilitação em Física, a capacitação faz uso do conhecimento das regras básicas da Matemática para aplicação direta no aprendizado, como: conhecer as regras, ter noção das figuras geométricas, dos ângulos, da movimentação e deslocamento em diagonal e paralela. “Eu achei bom conhecer para jogar. Do que jogar para conhecer”, relata.

– Estudantes na confecção dos jogos de tabuleiros

A estudante do Curso de Pedagogia, Marygidiane Cavalcante, esclareceu que a formação desperta o trabalho em equipe, a interação, concentração, coordenação motora e assimilação de regras. “O uso dos jogos ajuda no ambiente escolar fazendo despertar a ludicidade e o aprendizado através da interdisciplinaridade de diferentes formas”, declara.

O evento foi realizado pelo programa Pulsar de Pedagogia, vinculado ao Instituto de Humanidades e Letras (IHL), do grupo de trabalho Educação, Artes, Interdisciplinaridade e Interculturalidade (EARTI), do Programa de Consolidação das Licenciaturas (Prodocência), do Laboratório de Formação de Educadores (Life), do Programa de Iniciação à Docência (Pibid) e pelo projeto de extensão: A arte do brincar e a formação de arte educadores interculturais (Afrodita).

Comentários encerrados.