Anastácio Queiroz toma posse como reitor pro tempore da Unilab e pretende atuar como um catalisador no fortalecimento da universidade

Anastácio Queiroz (à esq.) e Paulo Barone, secretário de Educação Superior (SESu/MEC), na assinatura do termo de posse

O professor Anastácio de Queiroz Sousa, nomeado pelo Ministério da Educação no último dia 7 como reitor pro tempore da Unilab, tomou posse no cargo nesta quinta-feira (23), na sede da Secretaria de Educação Superior (SESu/MEC), em Brasília/DF. O secretário da pasta, professor Paulo Barone, representou o ministro da Educação no ato.

O reitor esteve ao longo desta semana no Campus da Liberdade, sede da Reitoria, e pretende dedicar estes primeiros dias de efetivo exercício, já imediatamente à posse, para dialogar com gestores e se ambientar. “Neste primeiro momento eu estou conhecendo melhor os detalhes da universidade, tudo o que está sendo feito e o que está em planejamento, para que nós possamos dar continuidade ao que vem sendo executado e equacionar aquilo que está pendente. As duas coisas serão feitas conjuntamente: conhecer e já ir trabalhando com os diferentes setores”, afirmou.

Diante do contexto de contingenciamento pelo qual passam as universidades federais, Queiroz aproveitou sua ida à Brasília para discutir com parlamentares sobre o orçamento destinado à Unilab, no intuito de sensibilizá-los. “Estive com alguns parlamentares na expectativa de termos alguma possibilidade de incremento. Eu havia conversado com nosso pró-reitor de Planejamento [Plínio Maciel] e o orçamento está contingenciado, pelo menos nos últimos dois anos, mas as despesas têm aumentado a cada ano e isso precisa ser equacionado. A Unilab é uma universidade nova e precisa realmente ser implantada na sua plenitude”, explicou.

O novo reitor afirma que pretende pautar sua gestão na perspectiva de somar forças em vista do fortalecimento da Unilab. “Na realidade, eu estou indo para a Unilab para somar. Dialogar com as pessoas, procurar realmente trabalhar com todos no sentido de um fortalecimento. Não existe objetivo de fazer mudanças bruscas”, disse. E completou: “A universidade é de todos e todos têm que fazer o esforço para que realmente ela possa se fortalecer a cada dia. Meu objetivo é unicamente unir força, não é criar nenhum atrito, e sim ser um catalisador desse processo de melhoria da universidade”.

Comentários encerrados.