Lançamento da Rede Internacional de Mulheres Africanas acontece hoje (15)

O Programa de Extensão Vozes D’África lança hoje (15) a Rede Internacional de Mulheres Africanas (RIMA). O evento tem início às 17h, no Pátio Administrativo do Campus da Liberdade, em Redenção/CE. Com o tema “Mulherismo africano e feminismo: um debate necessário para uma nova visão das realidades africanas”, estão envolvidas na atividade a Pró-Reitoria de Extensão (Proex) e o Instituto de Humanidades e Letras (IHL).

Na ocasião, serão lançadas a página oficial na internet e a logomarca, que objetiva a promoção e a divulgação dos textos literários dos autores africanos (literatura e outras artes), enfatizando os eixos ensino-pesquisa-extensão e criando um diálogo entre textos de diferentes temáticas que falam sobre mulheres africanas, mulherismo e feminismo, entre outros.

O objetivo é investigar e promover a produção e circulação de um conjunto múltiplo e inter-relacionado de conteúdos científicos e culturais, propondo debates sobre temas de feminismo e mulherismo africano, nos diversos países da integração, buscando também uma aproximação com o campo da Educação e participação política. Durante os encontros, a Rede promoverá a formação e qualificação das mulheres.

A Rede, que tem se reunido desde julho deste ano, sob a coordenação executiva da professora Artemisa Odila Candé Monteiro, vinculada ao IHL, já conta com cerca de 60 mulheres africanas estudantes da Unilab, no Ceará, de várias nacionalidades e cursos. “Entendemos que estas não podem, apenas, ser solidárias quando acontecem episódios de violências, de discursos misóginos e de discriminações. Precisamos potencializar as nossas vozes perante as diversas realidades sociais que nos afligem, enquanto mulheres africanas e negras”, defende a organização do Projeto de Extensão.

A RIMA é também chamada de Rede ÔPÉBAMU e foi criada em 31 de julho deste ano, em homenagem ao dia das mulheres africanas. Trata-se de uma iniciativa que visa a dissipar estigmas e estereótipos associados às mulheres africanas e sua diáspora, fortalecendo a rede de convivência e sororidade entre as africanas na Unilab. A palavra ÔPÉBAMU significa, na língua de são-tomense e príncipe, solidariedade para caminhar juntas.

“A RIMA é de todas as mulheres africanas, com aspirações comuns, assente num rigor acadêmico de construção de conhecimentos e de socialização destes conhecimentos nos seminários, simpósios, congressos, etc., em parceria com as outras organizações ou grupos de mulheres que lutam pela mesma finalidade”, garante a organização.

Comentários encerrados.