Lançamento do livro “Branquitude: estudos sobre a identidade branca no Brasil” acontece nesta sexta-feira (11)

Tratar da identidade branca com foco na realidade social brasileira é um dos objetivos do livro “Branquitude: estudos sobre a identidade branca no Brasil”, que será lançado nesta sexta-feira (11). O evento tem início às 19h, no Bloco Didático do Campus da Liberdade, em Redenção/CE.

Na ocasião, será ministrada uma palestra com um dos organizadores da obra, o professor Lourenço Cardoso, da Unilab. Além dele, figura como organizadora a professora Tânia Mara Pedroso Müller. Ao longo de 17 capítulos, o livro aborda a branquitude, enquanto pertença étnico-racial atribuída ao branco.

“Podemos entendê-la [a branquitude] como o lugar mais elevado da hierarquia racial, um poder de classificar os outros como não brancos, que, dessa forma, significa ser menos do que ele. O ser-branco se expressa na corporeidade, a brancura. E vai além do fenótipo. Ser branco consiste em ser proprietário de privilégios raciais simbólicos e materiais”, explica Lourenço Cardoso.

Os participantes receberão certificados de participação emitidos pelo Grupo de Pesquisa ORITÁ – Espaços, Identidades, Memórias e Pensamento Complexo.

Sobre os organizadores

Lourenço Cardoso é professor da Unilab, bacharel e licenciado em História pela PUC-SP, mestre em Sociologia pela Universidade de Coimbra e doutor em Ciências Sociais pela Unesp-Araraquara. Foi o primeiro a escrever uma dissertação de mestrado e também uma tese de doutorado sobre o tema branquitude a respeito da realidade social brasileira.

Tânia Mara Pedroso Muller é pós-doutora em Antropologia Social pela USP e doutora em Educação pela Uerj. É professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense (UFF) e professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da FE/UFF. Tânia coordena o Grupo de Pesquisa e Estudos em Relações Étnico-Raciais, Educação e Formação Docente.

Comentários encerrados.