Semana da África na Unilab traz programação acadêmica e cultural

O dia 25 de maio é marcado pelo “Dia da Libertação Africana” e pela criação da Organização da Unidade Africana (OUA), que ocorreu em 1963, em Addis Abeba, na Etiópia, hoje conhecida como União Afriacana (UA). Em alusão ao dia, a Unilab vai participar de mais uma edição da Semana da África. No Ceará, o evento vai para seu quarto número, já na Bahia, a celebração está na segunda edição.

A Semana da África na Bahia é um empreendimento internacional, que reúne público e pesquisadores de vários países: Angola, Brasil, Cabo Verde, Itália, Guiné Bissau, França, Moçambique, São Tomé e Príncipe e República Democrática do Congo.

O evento tem como ponto central construir um encontro entre brasileiros e africanos de diferentes lugares, no âmbito acadêmico, político, social, econômico e cultural. De acordo com a organização, “a ideia é promover o debate, enriquecido pela multiplicidade de temas referentes às questões africanas e da diáspora. Além do mais, os participantes vão desfrutar de um diálogo mais equitativo entre as duas margens do Atlântico”.

No Ceará

Com o tema “Identidades Africanas Como Resistência na Modernidade”, a IV Semana da África no Ceará será comemorada de 23 a 25 de maio, no térreo da Unidade Acadêmica dos Palmares II, em Acarape/CE. A programação inclui atividades culturais, mesas redondas, rodas de conversa e oficinas. Clique aqui para conferir a programação completa.

Em seu quarto ano, a Semana da África realizada no Ceará busca uma discussão acerca das identidades africanas e os processos de decolonialidade do poder e do saber. De acordo com a organização do evento, “a África ainda é vista como um continente de pobreza, doenças e sem produção científica. Diante disso, o tema se justifica pela existência a nível de comunidade estudantil e não só, um desconhecimento da África e das suas identidades”.

Este ano, o evento conta com a parceria dos seguintes projetos: “Cartografias de Corpos e Narrativas”, coordenado pelas professoras Jaqueline Costa e Rosângela Ribeiro; “Cine Debate transbordando”, coordenado pela professora Natalia Cabanilla e Ana Paula Rabelo; “Reapodere”, coordenado pelo professor James Moura; “Sobre o Corpo Feminino: Literaturas Africanas e Afro-brasileiras”, coordenado pela professora Luana Antunes; e o “GIEPEM – com Jogos Africanos”, ministrado pelos alunos-menbros do grupo de pesquisa etnomatemática e coordenado pela professora Eliane Costa Santos.

A partir desta parceria, haverá o momento denominado “Caminhos para a Semana da África”, que envolverá atividades tanto nas comunidades da redondeza quanto em escolas. Serão oferecidas palestras, oficinas e mostra de cinemas. Além disso, os alunos de escolas dos municípios de Redenção e Acarape terão oportunidade de participar das atividades alocadas na própria universidade.

Outro dado histórico marca o evento no Ceará. Em 25 de maio de 2011, tiveram início as atividades letivas da Unilab no Campus da Liberdade, em Redenção/CE.

 

Na Bahia

Na Bahia, ao longo de quatro dias do mês de maio, a Semana da África vai se estender em quatro territórios: no dia 25, no Campus dos Malês, em São Francisco do Conde/BA, conjuntamente com o III Festival das Culturas; no dia 28, no Centro Cultural Casa de Angola na Bahia, em Salvador; no dia seguinte, na Universidade Católica do Salvador (UCSAL), Campus da Federação; e, por fim, no dia 30, na Casa da Música de Itapuã, em Salvador.

A atividade dá continuidade à I Semana da África na UCSAL e à I Semana Internacional de Novos Estudos Africanos. As inscrições são online e devem ser feitas neste link. Haverá certificação, que será entregue após o término do evento.

A organização do evento informa que haverá transporte para os estudantes da Unilab, nos dias de atividades em outros locais, e que será obedecida a ordem de chegada e inscrição nas atividades. No dia 28, o transporte sairá às 12h; no dia 29, às 14h; já no dia 30, a partida volta às 12h.

No Campus dos Malês, a Semana da África terá três momentos. Às 9h, haverá o Bate Papo “Falando de Nós – Viajar, Viver e/ou Estar no Brasil e num país da África”. Na sequência, as mesas “Uma Agenda Epistemológica e Política Decolonial: Ativismo, direito à cultura e diáspora negra” e “União Africana e a Agenda 2063: Mercado Livre do Comércio Africano e as Dinâmicas Regionais” darão continuidade à discussão. Às 19h, o Mercado Cultural de São Francisco do Conde será palco de intervenções culturais no âmbito do Festival das Culturas. Clique aqui e confira a programação completa.

A Semana da África na Bahia é organizada pelo Grupo de Pesquisa Antropologia, Fronteiras, Espaços e Cidadania (AFEC), pelo programa Latitudes Africanas – Batuque, Política e Cultura Africana, e pelo Grupo de Pesquisa África-Brasil: produção de conhecimento, sociedade civil, desenvolvimento e cidadania global.

Comentários encerrados.