Desafios do letramento em Guiné-Bissau é tema da primeira defesa de TCC do curso de Letras-Malês

Da esq. p/ dir.: Prof. Denilson Santos, Ivo Aloide, Prof. Paulo Proença e Prof. Alexandre Timbane.

Foi com o desafio de propor mudanças na política linguística e nos princípios didáticos do sistema escolar da Guiné-Bissau que o aluno Ivo Aloide foi o autor da primeira defesa de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do curso de Licenciatura em Letras do Campus dos Malês, em São Francisco do Conde/BA.

Aprovado com nota 10, o estudante guineense apresentou o trabalho intitulado “Desafios do ensino escolar da Guiné Bissau na perspectiva do letramento”. Ao longo de aproximadamente 60 páginas, Ivo Aloide abordou o desafio “a partir dos pressupostos da noção de letramento, que prevê a efetiva utilização das habilidades linguísticas nas diversas interações a que os usuários são submetidos, principalmente fora da escola, na vida real”, explica o professor orientador Paulo Sérgio de Proença.

“O título do trabalho já mostra a existência de um problema no ensino escolar da Guiné-Bissau; o ensino guineense é feito na língua portuguesa, língua oficial do país, mas a maioria da população não fala o português. A população fala o crioulo guineense e a rica variedade de línguas étnicas”, explica o autor do TCC, Ivo Aloide.

O trabalho propõe a desconstrução do eurocentrismo (descolonização da mente), pautando-se na formação do homem crítico. Para isso, é considerado o contexto da Guiné-Bissau, que carrega na educação escolar como único idioma a língua do colonizador. “Até hoje nenhuma política foi tomada para superar isso, o que compromete o aprendizado dos alunos”, lamenta o estudante Ivo.

“Portanto, a proposta é fomentar mudanças no sistema educacional guineense, por meio da introdução da prática educacional que adota uma pedagogia do letramento. Por que o letramento? Porque o conceito de letramento propõe desafios que envolvem a escola de forma mais direta, no que diz respeito à renovação de práticas didáticas que tornem relevante e necessário o uso da língua, nos diversos contextos sociais”, explica o concluinte.

Ivo propõe, ainda, a adoção do crioulo como língua de ensino na Guiné, por meio de uma política de planejamento linguístico no sistema educativo daquele território, valorizando o crioulo como meio de transmissão do conhecimento, da identidade e da cultura.

Para a pesquisa, Ivo entrevistou 120 alunos guineenses do Campus dos Malês. Além do orientador, compuseram a banca os professores Alexandre Antonio Timbane e Denilson Lima Santos.

De acordo com o professor Denilson Santos, o TCC se constitui relevante para os estudos sobre letramento em língua portuguesa. “A pesquisa séria e comprometida do estudante será base para que, em um futuro próximo, seja utilizada como referência para novas investigações científicas”, sugere o docente.

Momento de avaliação dos examinadores

Quem também citou o aspecto inovador da pesquisa, quanto ao ensino do crioulo da Guiné em escolas do ensino público daquele país, foi o examinador Alexandre Timbane. “É uma pesquisa original baseada numa pesquisa de campo e sustentada teoricamente por especialistas brasileiros e guineenses que aprofundam o ensino na perspectiva de letramento”, explica o professor.

Para Timbane, a monografia termina abordando o seu maior desafio, “o reconhecimento do crioulo da Guiné-Bissau como meio de ensino, assim como a produção e divulgação de dicionários, gramáticas e literatura que abrirá caminhos para uma política e planejamento linguísticos inclusiva”.

O trabalho “Desafios do ensino escolar da Guiné Bissau na perspectiva do letramento” foi apresentado no último dia 31.

Comentários encerrados.