Projeto Canções de Redenção anuncia próxima edição em dezembro.

O Projeto de Extensão “Canções de Redenção” anuncia a distribuição da terceira edição de seu jornal universitário ainda neste mês. O projeto convida estudantes a participar da próxima reunião que têm como objetivo apresentar o periódico, escolher as pautas que serão abordadas sobre o tema, organizar e delegar atividades para a publicação da quarta edição. 
Esta reunião acontecerá no dia 11 de dezembro (terça-feira), às 17h, sala 302, bloco 2 do Palmares. 

Visando protagonismo de estudantes de diferentes cursos da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), tanto na produção de diferentes gêneros artísticos a serem publicados nas edições, como no desenvolvimento de estratégias de promoção e distribuição dos exemplares. Com característica de cunho literário, o jornal traz discussões atuais para toda a comunidade. A Unilab já ultrapassa meia década de existência. Suas experiências de integração entre os membros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP)têm sido as mais variadas.
 
O surgimento do projeto de extensão nos leva a uma longa e bela jornada experimentando possibilidades sobre o que pensamos como produtores de um jornal que não só visa dialogar com os membros da comunidade acadêmica, mas levar os textos produzidos por alunos para as cidades sede da universidade (Redenção e Acarape) e – mesmo – para os países que participam da integração internacional com a Unilab.
 
Além dos encontros quinzenais realizados, os alunos trabalham na pesquisa de fontes e dados para a escrita da matéria, organização de oficinas para a comunidade e materiais de divulgação do jornal universitário. O projeto conta com a participação do coordenador prof. Dr. Tiago Martins da Cunha e estudantes, sendo aberto para a colaboração de outros membros da comunidade acadêmica e do público externo. Mantém publicações trimestrais com os eixos de notícias e informações cobrindo a Unilab, o Maciço de Baturité, o Brasil e os países parceiros da África.

Comentários encerrados.