Lançamento do Centro Interdisciplinar de Estudos de Gênero Dandara promoveu o debate crítico e trocas de experiências

Participantes da Comunidade de Itapai/ Redenção-CE

O Centro Interdisciplinar de Estudos de Gênero Dandara (Cieg Dandara) teve suas atividades iniciadas pelo evento de lançamento, ocorrido no último dia 6, realizado pela Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), em parceria com a Prefeitura Municipal de Redenção e o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher, em Redenção/CE.

Logo na abertura, o evento cultural com apresentação artística do Grupo Unisons dando boas-vindas aos professores, bolsistas e pesquisadores e jovens da Comunidade de Itapai de Redenção/CE.

Outro momento, a palestra magna envolvendo a temática “A Importância do Debate de Gênero no Ambiente Escolar: Experiências do Projeto Gênero e Diversidade na Escola”, com a professora, doutora em Antropologia Social, e pesquisadora do Núcleo de Identidades de Gênero e Subjetividades (NIGS) e do Instituto de Estudos de Gênero (IEG) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e o professor do Instituto de Ciências Sociais Aplicadas (ICSA/Unilab), também coordenador do curso de Administração Pública, modo presencial, Pedro Rosas Magrini. 

A atividade de Roda de Conversa: “Cores de Aidê: o protagonismo feminino na arte de tocar tambor” teve a repercussão e participação do grupo de Jovens da Comunidade de Itapaí com a explanação e tira dúvidas da pesquisadora que atua nas temáticas de Antropologia, História, educação, gênero, sexualidade, políticas públicas e religiosidades, Tãmia Welter.

Segundo a coordenadora do projeto CIEG, a professora do Instituto de Humanidades e Letras (IHL/Unilab), Violeta Holanda, o centro tem por objetivo manter as pesquisas científicas e o debate crítico na área de gênero, reunindo pesquisadores em rede local, nacional e internacional. Além de contar com a participação direta de docentes e estudantes dos diversos cursos do Instituto de Humanidades (IH), Instituto de Linguagens e Literatura (ILL) e Instituto de Ciências Sociais Aplicadas (ICSA).
Tãmia Welter, doutora em Antropologia Social e professora da UFSC
Para a membra titular do Conselho de Defesa dos Direitos Humanos do Estado do Ceará, Violeta Holanda, o lançamento do Centro de Pesquisa ocorreu no mês de aniversário das mortes de Dandara dos Palmares, ícone da história e resistência negra no período colonial brasileiro, que não se encaixava nos padrões de gênero que ainda hoje são impostos às mulheres no Brasil”. Como também, de Dandara dos Santos, travesti brutalmente espancada e executada no bairro Bom Jardim, em Fortaleza. O crime teve forte repercussão após o compartilhamento das imagens das agressões nas redes sociais.
“A morte de Dandara traduz atos de violência, intolerância e homofobia praticados cotidianamente contra a população LGBT+ em nosso país”, esclareceu a professora.

Cieg Dandara

O Cieg Dandara dedicar-se aos estudos interdisciplinares das relações de gênero em interface com as relações étnico-raciais, no que tange a construção das subjetividades, das identidades, das memórias, das produções literárias, dos processos formativos, das práticas socioculturais e sociodiscursivas acerca das feminilidades e masculinidades, em uma perspectiva decolonial/pós-colonial e intercultural, além de propor e realizar ações na área de gênero e sexualidades na Unilab. 

Comentários encerrados.