“Ciência e diversidade de gênero: produção de saberes para a afirmação dos direitos humanos” é a temática escolhida para a VI Semuni/Unilab

A Comissão Organizadora da Semana Universitária da Unilab (Semuni) divulgou o resultado da enquete realizada para a escolha do tema a ser trabalhado na sexta edição do evento realizado anualmente.

Dentre o resultado dos temas: “A Academia nos tempos de Fake News – Enfrentando mentiras com Ciência” teve 39,4%; “Interculturalidade no contexto da Educação Superior” teve 19%, a temática “Ciência e diversidade de gênero: produção de saberes para a afirmação dos direitos humanos” obteve 41,6% de aceitação.

Após aceitação pela equipe da VI Semuni da temática ganhadora, construída pela assistente social do Núcleo de Acompanhamento Social ao Estudante (Nase/Coest/Propae), Thacyana Ferreira e a professora e coordenadora de Projetos e Acompanhamento Curricular da Coordenação de Projetos e Acompanhamento Curricular (Cpac/Prograd), Silviana Mariz, a qual ficou profundamente feliz ao receber a notícia, já que o tema “expressa o desejo, a vontade e a sensibilidade da comunidade acadêmica da Unilab em discutir esse assunto, trazê-lo para o centro do debate e das reflexões acadêmicas”, concluiu a também coordenadora do Grupo de Estudo e Pesquisa “Gêneros e Sexualidades na História”.

Dentre muitas questões que envolvem as vivências desta abordagem, a doutora em Educação, Silviana Mariz, relata que “além das desigualdades de gênero no trabalho e na pesquisa científica, não podemos ignorar os dados alarmantes de feminicídio, bem como das populações LGBTQI+ no país e no estado do Ceará em particular. Esse é um debate que tem ser permanente e acolhido por todos, homens e Mulheres, independentemente de sua identificação de gênero. Tal temática não pode mais ser vista como assunto de mulheres ou de LGBTQI+, e ver que a comunidade a escolheu é um fato a ser celebrado, sobretudo se entende-se que essa temática, na verdade, já vem com certo atraso, ou seja, já deveria ter sido abordada anteriormente em um evento abrangente como é a Semana Universitária”, concluiu a professora.

Em colaboração a declaração apresentada acima, Thacyana Ferreira, assistente social do Nase/Propae, acrescenta que “consideramos articular os dois temas por entender que o contexto político atual, bem como alguns setores da sociedade tentam desqualificar e descaracterizar a importância social das duas temáticas para o desenvolvimento critico da sociedade, seja conceituando de forma errônea que Direitos Humanos são apenas “para humanos direitos”, bem como tentando transformar uma categoria socialmente construída em “ideologia”, no caso do Gênero.  E a Unilab, como equipamento de produção de saberes, tem um papel bastante estratégico nesse processo de desconstrução, primeiro por ser uma universidade que abraça a diversidade e é representativa em termos de raça, cultura, etnia, gênero e perfil socioeconômico de sua comunidade estudantil, algo bem diferenciado em relação as demais instituições. Segundo, por entender que a produção do conhecimento é a principal ferramenta para dar visibilidade a esses Direitos, realizando ainda ações que os afirmem bem como projetos e programas que de fato sejam concretizados no cotidiano das pessoas”, enfatizou a assistente social do Nase/Unilab.

Semana Universitária da Unilab

O evento acontecerá no período de 22 a 25 de outubro, conforme o Calendário Acadêmico – Ano Letivo 2019. Outras informações no site da Semana Universitária da Unilab (Semuni).

A Semana Universitária representa um espaço de reafirmação do compromisso da universidade, enquanto Instituição brasileira de Ensino Superior (IES), em produzir conhecimento respeitando as diferenças e a diversidade de saberes, culturas e experiências, convidando a sociedade a unir-se a seus servidores técnico-administrativos, docentes e discentes por meio das atividades propostas.

A coordenação do evento fica a cargo das Pró-Reitorias Acadêmicas da universidade, sendo que a cada ano uma destas fica responsável pela direção geral. Em 2018, a Semana Universitária foi puxada pela Pró-Reitoria de Graduação (Prograd), e anteriormente pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Proppg). Para a edição de 2019, a Pró-Reitoria de Extensão, Arte e Cultura (Proex) toma a frente da organização do evento, e já na escolha do tema trouxe uma novidade, com sua definição a partir da consulta pública à comunidade, a exemplo do que a Proex já costuma fazer com o Festival das Culturas, também organizado por esta Pró-Reitoria.

Comentários encerrados.