Pesquisadores da Unilab e da UFC submetem o MobileECG à análise de patente de invenção junto ao INPI

O invento “MobileECG: Um guardião da saúde do coração ubíquo” é um dispositivo desenvolvido em parceria pela Unilab, através de seus pesquisadores Antonio Manoel Ribeiro de Almeida, administrador AVA do Setor de Tecnologia da Informação e Antonio Carlos da Silva Barros, Gerente do Núcleo Pedagógico EAD, ambos vinculados ao Instituto de Educação a Distância (IEAD), do pesquisador João Paulo do Vale Madeiro,  coordenador do Curso de Engenharia de Computação, vinculado ao Instituto de Engenharia e Desenvolvimento Sustentável (IEDS/Unilab), juntamente os pesquisadores José Maria da Silva Monteiro Filho e Angelo Brayner, vinculados ao Departamento de Computação, da Universidade Federal do Ceará (UFC), que foi submetido nesta última quinta-feira (18) a um novo pedido de patente junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). 

Confira AQUI o resumo do protótipo!

Funcionamento do MobileECG

Uma nova Patente de Invenção (PI) do dispositivo de medição e monitoramento cardíaco de baixo custo vai permitir que qualquer paciente com risco ou doenças cardíacas possam ser monitorados 24 horas por dia. Devido a construção do equipamento com componentes comuns permitirá que no futuro este equipamento possa ser produzido com baixo custo e possa ser tornar popular. Mitigando assim o risco de eventos cardíacos que poderia levar a morte ou sequelas, caso não fosse detectado a tempo.

O funcionamento do MobileECG, nome do invento, utiliza pulseiras colocadas no paciente que através do equipamento que fica no cinto do paciente, transmite os sinais cardíacos para o smartfone do paciente que através de um App fará o monitoramento, alertando o paciente sobre risco eminente ou sobre situações anormais e sugere uma consulta ao médico

Os dados obtidos do paciente também são compartilhados de forma anônima em banco de dados público de ECG, permitindo através de consentimento do paciente que um médico monitore remotamente o seu paciente e até mesmo gere um laudo do exame realizado remotamente.

Conforme o professor Antônio Manuel, o primeiro protótipo do MobileECG está sendo finalizando no Laboratório de Eletrônica Digital da Unilab. Após finalizado, a próxima etapa será o teste em usuários.

“O impacto com a popularização deste dispositivo é o diagnóstico precoces de doenças cardíacas e para os com doenças, a redução significativa de casos de morte com a sinalização imediada nos casos de enfarto do miocárdio”, explica o professor do IEAD, doutor em Computação pelo grupo de pesquisa em Big Data, Machine Learning e Sistemas Distribuídos na UFC/DC.

Esta pesquisa também gerou uma publicação (MobileECG: An Ubiquitous Heart Health Guardian) no XXI Congresso Internacional ICEIS – International Conference on Enterprise Information Systems (ICEIS), edição de 2019, ocorrido em maio, na Grécia.

Confira a pesquisa: MobileECG: An Ubiquitous Heart Health Guardian  

Comentários encerrados.