Jornada Nilma Lino Gomes destaca as relações étnico-raciais, o ensino na educação básica e o movimento negro educador

Público presente a Roda de Conversa. Fonte: Sepir/Unilab

No último dia 08 de outubro de 2019, no Auditório do Bloco Didático do Campus da Liberdade, da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), aconteceu a Jornada Nilma Lino Gomes.

O evento teve início com a Roda de Conversa sobre a Implementação da Educação das Relações Étnico-Raciais na Educação Básica e a noite teve a Aula Magna, com o tema: Universidade, Democracia e Combate ao Racismo.

A mesa de abertura da Aula Magna contou com as presenças de Jeovane Ferreira, representando os discentes quilombolas e indígenas, dos docentes Vera Rodrigues (Antropologia), Geranilde Costa (Pedagogia), Arilson dos Santos (Antropologia e Sepir/ Unilab), Edson Holanda (Prograd), Carlos Lopes (Instituto de Humanidades), Jaqueline Costa (Bacharelado em Humanidades) e da palestrante Nilma Gomes.

Mesa formada pela professora Rosângela Ribeiro, do Curso de Pedagogia da Unilab, e pela professora Nilma Gomes. Fonte: Sepir/Unilab.

Mesa formada pela professora Rosângela Ribeiro, do Curso de Pedagogia da Unilab, e pela professora Nilma Gomes. Fonte: Sepir/Unilab

Em Aula Magna, Nilma Gomes abordou o processo de produção dos saberes advindos do Movimento Negro, desde a imprensa negro do início do século XX até os movimentos acadêmicos e culturais que mesmo com as complexidades propuseram formas de educar as relações étnico-raciais no âmbito político e social.

Para garantir a presença e o conformo do público presente, que lotou o auditório, foi organizado no hall de entrada do Auditório do Bloco Didático um telão para acompanhamento da Aula Magna.

Público acompanha, de fora do auditório, Aula Magna. Fonte: Sepir/ Unilab.

Público acompanha, de fora do auditório, Aula Magna. Fonte: Sepir/ Unilab.

Após a aula, ocorreram performances culturais com a presença do cantor Eliano e do Coral Afro-Brasileiro, formado por estudantes da disciplina Literatura Negra, que é ministrada pela professora Jacqueline Costa.

No final da Jornada, teve o lançamento do livro: Movimento Negro Educador, de Nilma Gomes. A obra aprofunda a compreensão dos saberes produzidos e sistematizados pelo Movimento Negro e de Mulheres Negras para subverter a teoria educacional, construir a pedagogia das ausências e das emergências, repensar a escola, descolonizar os currículos e dar visibilidade às vivências e práticas dos sujeitos.

Este trabalho tem como tese principal o papel do Movimento Negro brasileiro como educador, produtor de saberes emancipatórios e um sistematizador de conhecimentos sobre a questão racial no Brasil. Saberes transformados em reivindicações, das quais várias se tornaram políticas de Estado nas primeiras décadas do século XXI.

Fonte: Sepir/Unilab.

Fonte: Sepir/Unilab.


A Jornada Nilma Lino Gomes é uma realização do Setor de Promoção da Igualdade Racial da Unilab e do Curso de Pedagogia da Unilab, Pibid Pedagogia e o Programa Residência Pedagógica do Curso de Pedagogia, com o apoio da Editora Vozes, do Mestrado Interdisciplinar em Humanidades (MIH/UNILAB), do NEAB/ IFCE, das instituições UFC, UECE, IFCE, dos grupos de pesquisas Nuafro, Núcleo das Africanidades Cearenses e CEPPIR do Governo do Estado do Ceará.

Nilma Gomes

Pedagoga/UFMG, mestra em Educação/UFMG, doutora em Antropologia Social/USP e pós-doutora em Sociologia/Universidade de Coimbra e em Educação pela UFSCAR. Professora Titular da Faculdade de Educação da UFMG. Integra o corpo docente da pós-graduação em educação Conhecimento e Inclusão Social, FAE/UFMG. Foi Coordenadora Geral do Programa de Ensino, Pesquisa e Extensão Ações Afirmativas na UFMG (2002 a 2013) e, atualmente, integra a equipe de pesquisadores desse Programa. Integrou a Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação (gestão 2010 a 2014). Foi reitora Pró-Tempore da Unilab (2013-2014). Foi Ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial -(SEPPIR/2015) e do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial, da Juventude e dos Direitos Humanos (2015-2016).

 

Comentários encerrados.