Estudantes guineenses do Curso de História da Unilab promovem evento alusivo ao dia 14 de novembro 1980

Sob o lema “Da união a ruptura: a natureza do “golpe” de 1980 e suas implicações no cenário Bissau-guineense”, os estudantes guineenses do Curso de Licenciatura em História da Unilab realizarão, nesta quinta-feira (14), o evento alusivo ao dia 14 de novembro 1980, data histórica e inesquecível na memória do povo da Guiné-Bissau e Cabo Verde, a partir de 14h20, na Unidade Acadêmica dos Palmares, bloco III (térreo), em Acarape/CE.

O evento discutirá a unidade binacional (Guiné-Bissau e Cabo Verde) e sua ruptura, assim como, as implicações deste cenário na sociedade bissau-guineense tendo em conta os sucessivos golpes, após a década de 1980.

Os interessados podem se inscrever no momento do evento. Aos participantes será concedido o certificado.

Entre os convidados:  Adilson Victor Oliveira e Ibu Sadjo, ambos estudantes do curso de História, sob a moderação de Anastácia Antonio Nola, também estudantes da Unilab.

Sobre a discussão de 14 novembro 1980

A Guiné-Bissau e Cabo Verde partilhavam o mesmo território em termos ideológicos no pensamento de Amílcar Cabral, tendo em conta o desejo da eliminação do inimigo comum, neste caso, os invasores portugueses. Esse sentimento prevaleceu durante várias décadas, mesmo com algumas estratificações sociais presentes nessa sociedade.

Nesse sentido, esta roda de conversa pretende discutir a unidade binacional e os motivos que estiveram na ruptura de dois países, assim como, as implicações na sociedade Bissau-guineense. Com base nisso, eis alguns pontos questionamentos que irão nortear o debate: considera-se 14 de novembro de 1980 golpe de estado e marco da ruptura da unidade binacional? O movimento reajustador conseguiu eliminar a estratificação social? Como se explica os sucessivos golpes de estado em Guiné-Bissau.

Comentários encerrados.