Professora da Unilab ministra curso em Estudos Afro-latino-americanos em Harvard; estudante egresso participa como bolsista

A professora Vera Rodrigues, lotada no Instituto de Humanidades da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (IH/Unilab), ministrará o seminário “O Brasil contemporâneo sob a ótica de pensadores(as) negros(as): o que temos a dizer sobre democracia, fascismo e racismo”, no curso Certificado em Estudos Afro-latino-americanos do Afro-Latin American Research Institute da Harvard University – EUA.

A proposta do seminário concorreu com outras 16 e foi a única do Brasil aprovada, subscrita por Vera e mais dois professores: Marco Antonio do Bonfim, professor do Mestrado Interdisciplinar e Letras da Universidade Estadual do Ceará; e Edilene Pereira, socióloga da Fundação Visconde do Cairú, em Salvador/BA. O curso é on-line e ocorre de setembro próximo a março de 2021. As videoaulas, previamente gravadas, já foram enviadas pela equipe docente no último dia 20 de julho. A interação com os cursistas ocorre via plataforma digital.

A ideia é de que as análises contemporâneas sobre o cenário brasileiro no tocante aos temas citados não contempla, em sua maioria, o olhar de intelectuais negros. Então, os ministrantes apresentam o seminário: “(…) se propõe a analisar o contexto brasileiro no período de 2016-2019 , o qual pode ser compreendido como de “ruptura democrática” ao “avanço do fascismo e racismo”. Nossa análise privilegia o campo de estudos de relações raciais, por meio do pensamento teórico e político de intelectuais negros(as) da atualidade. Assim o fazemos por perceber que a maioria das análises em evidência não contemplam a população negra, seja como sujeitos produtores(as) de conhecimento sobre o tema ou como público preferencial dos avanços do conservadorismo que se fazem sentir no desmonte das políticas públicas de promoção da igualdade racial; no aumento das taxas de feminicídio entre mulheres negras ou ainda nos eventos de racismo religiosos contra espaços e praticantes de religiões de matriz africana”.

Vera Rodrigues destacou ainda que está muito contente com a conquista da bolsa pelo estudante egresso da Unilab Marcus Martins, “o qual representa a união entre o talento e a oportunidade”. “Para nós, docentes, é uma grande conquista que envolve a visibilidade e o reconhecimento de uma produção de conhecimento comprometida com a sociedade brasileira e com a nossa Unilab. Espero que possamos, cada vez mais, valorizar esse terreno fértil, criativo e crítico de educação pública chamado Unilab. Nesse momento em que a Unilab comemora seus 10 anos, eu estou aqui há 7 anos por acreditar nesse projeto. Por ser professora no Instituto de Humanidades. Por acreditar na ciência e na produção de conhecimento com compromisso social”, declarou.

Marcus Vinícius Martins, egresso do Bacharelado em Humanidades – turma 2018, foi contemplado com bolsa de estudos integral para cursar o Certificado em Estudos Afro-latino-americanos do Afro-Latin American Research Institute da Harvard University – EUA.

O curso, que tem como público-alvo pesquisadores, acadêmicos e ativistas do mundo todo, objetiva promover uma formação desde os estudos afro-latino-americanos, abordando temas como processo de colonização, estudos étnico-raciais, multiculturalismo, migração e políticas públicas.

Das 10 bolsas integrais, pleiteadas por pessoas do mundo todo, uma foi concedida a Marcus, que vê a oportunidade como um privilégio em poder realizar o curso promovido por uma das melhores universidades do mundo. ‘‘Espero no curso dar continuidade à minha formação já iniciada na Unilab, calcada em princípios e perspectivas descolonizadoras, que certamente se revela hoje – depois de concluída a graduação – como um divisor de águas em minha carreira profissional. Aqui me refiro à proposta dos cursos [especialmente o BHU] onde é possível ver na prática uma relação horizontal entre estudantes e professores, e na perspectiva decolonial, fomentada no currículo do curso, onde pude estudar autoras e autores à margem dos cânones”, afirmou Marcus. Ele destacou ainda que se trata de uma conquista coletiva, a partir de sua formação na Unilab. Marcus trilhou sua trajetória em temáticas como estudos de gênero, sexualidades, relações étnico-raciais e interseccionalidades e considera que o bacharelado em Humanidades o possibilitou obter uma formação crítica ensejada por epistemologias decolonais.

Comentários encerrados.