Países parceiros

Um dos propósitos da Unilab é formar pessoas aptas para contribuir com a integração do Brasil com os países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), para o desenvolvimento regional, científico e educacional, assim como para o intercâmbio cultural. Esta integração se realizará pela composição de corpo docente e discente proveniente não só das várias regiões do Brasil, mas também de outros países e do estabelecimento e execução de convênios temporários ou permanentes com outras instituições da CPLP.

Outro ponto de fundamental importância é a questão da lusofonia. Cinco países da África foram colônias portuguesas e usam o português como língua oficial: Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe. Completam a lista dos oito países que compõe o contexto lusófono, o Brasil, Portugal e Timor-Leste.

A lusofonia é uma proposta que tem como base comum a Língua Portuguesa. Mas ela vai mais longe e se constitui em um espaço que inclui as questões sociais, econômicas e de estratégia geopolítica. Ela pode se constituir em um instrumento que seja capaz de dar maior projeção e visibilidade para os países que a integram.

A lusofonia é ampliada quando incluímos certas regiões descobertas pelos Portugueses em que, ainda hoje, têm uma influência da língua e da cultura portuguesas: Goa, Damão, Diu e Macau, assim como o Gabão, o Benim, o Sri Lanca (antigo Ceilão). Há que se destacar, também as comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo e dois espaços distintos, Galiza e Olivença, que podem, legitimamente, integrar o mundo lusófono.

Assim, a Unilab deverá oferecer condições para que a oferta de ensino alcance o continente africano que é o segundo continente mais populoso do planeta e o terceiro continente mais extenso. Tem mais de 30 milhões de km², cobrindo 20,3 % da área total da terra firme e mais de 800 milhões de habitantes em mais de 50 países, representando cerca de um sétimo da população do mundo.