I Feira Agroecológica da Unilab reúne mais de 40 unidades produtivas do Maciço de Baturité

Foto: Assecom/Unilab.

A primeira edição da Feira Agroecológica da Unilab foi um sucesso: mais de 40 unidades produtivas de base agroecológica dos municípios de Capistrano, Baturité, Aracoiaba e Redenção estiveram representadas. Estudantes, técnico-administrativos e professores se encantaram com a produção e levaram de tudo nesta quarta-feira (18): rosas, ovos de galinha caipira, doces de mamão e banana, alface crespa, espinafre, couve, cheiro-verde, macaxeira, maracujá, limão e uma lista a perder de vista.

Helena Vasconcelos e Vera Diniz, do Sítio Jordão, que fica em Baturité. Foto: Assecom/Unilab.

Helena Vasconcelos e Vera Diniz, do Sítio Jordão, em Baturité, formam um casal e são companheiras também na agroecologia. No sítio, junto com o filho de Helena, têm como foco a produção de banana, fazendo doces e farinha de banana verde (feita sem ir ao forno, seca ao sol). Além disso, produzem macaxeira, caju, coco e ovos.

Esta é a primeira feira de que participam. Helena conta que conheceu a Incubadora Tecnológica de Economia Solidária (Intesol), vinculada ao Instituto de Desenvolvimento Rural (IDR/Unilab), em um evento de economia solidária em Baturité. “Na Intesol, tiram nossas dúvidas sobre economia solidária e nos dão um suporte com agrônomos, troca de conhecimentos e assistência”, disse Helena.

Foto: Assecom/Unilab.

Daniel Oliveira, produtor de flores do distrito Manuel Dias, em Redenção, trouxe várias mudas de rosas, pimenteiras e éricas e estava animado com as vendas. “Já vendi todas as éricas e as rosas tão saindo muito bem também”, comemora.

Daniel Oliveira produz flores, em Redenção. Foto: Assecom/Unilab.

A estudante Marília Coelho, do 2º semestre do curso de Agronomia da Unilab, participou com um estande informativo sobre o uso de agrotóxicos e os danos que trazem à saúde e ao meio ambiente. “A proposta de participar surgiu na disciplina de Tópicos especiais em Agronomia 2 e estamos aqui para tirar dúvidas acerca dos vários tipos de agrotóxicos e das frutas e verduras com maior concentração”, disse.

Sobre o evento

A Feira Agroecológica da Unilab utiliza a moeda Sol, já adotada em rodas de comercialização anteriormente. A coordenadora da Intesol, professora Clébia Freitas (IDR/Unilab), explica que a moeda específica ajuda a ter controle sobre o quanto de dinheiro circulou no evento, além de estimular o consumo consciente e facilitar a vida dos produtores, que não precisam se preocupar com troco durante as vendas.

Sobre a feira, Clebia conta que o objetivo é torná-la mensal e itinerante, mudando sempre de campus. O evento também está servindo como oportunidade de estudo para implantação de feiras nos mesmos moldes nos municípios. “Estamos conversando com as prefeituras de três municípios da região”, afirmou. O professor Nildo Silva, também do IDR, destaca que a feira se constitui na realização de um sonho.

A ideia das feiras solidárias é serem um espaço de comercialização dos serviços e produtos solidários, organizadas por grupos de produtores rurais e urbanos a partir do que produzem ou existe na realidade local.

A I Feira Agroecológica da Unilab abre dois eventos simultâneos sobre Economia Solidária: a I Jornada e I Colóquio Intesol/Unilab, que ocorrem até esta sexta-feira (20), com vasta programação.

Comentários encerrados.